março 10, 2010

Petit Pavé

Não sobrarão pedra sobre pedra?

8 comentários:

Zaclis Veiga disse...

Adoro as calaçadas de petit pavé. Essas são de onde?

aveloh disse...

petit pavé, olha só! eu que pensava que estava ficando gagá por insistir que é esse o nome do calçamento chamado aqui de mosaico português. Tá, tem lá sua graça, mas convenhamos, petit pavé tem muito mais. Esse daí está muito lindo.

expressodalinha disse...

Boa calçada portuguesa.

João Menéres disse...

Tanto quanto julgo saber, não são exactamente a mesma coisa.
O petit pavé não exige que os elementos tenham a mesma altura.
Pelo menos, foi a explicação que me deram há tempos atrás.

Beijos, LINA.

Lina Faria disse...

Zaclis,
Essas são de Curitiba.
A primeira na Praça Generoso Marques e a segunda na rua Prudente de Morais.
Mas há uma lei municipal proibindo o uso desse calçamento nos espaços públicos.
Estão trocando tudo por concreto.
Essa é minha indignação.

Pois Aveloh,
apesar do nome francês, é mesmo portuguesa. Muitos a chama de pedras ou calçadas portuguesas.
Dizem uns amigos que trabalharam em Angola, que lá chamam de pedras angolanas.

João, que interessante.
É quase certo que sua informação, vindo da origem, seja a correta.
A nós colonizados, que as usamos em geral com mármore, veio como
igual, até eu onde sei.

Beijos!

aveloh disse...

Lina, Zaclis, demais fotógrafos de Curitiba, uní-vos! Já que não se pode mudar a lei municipal, que se registrem as caçadas de "petit pavé", calçadas portuguesas, pedras angolanas, ou o que seja, que são lindas de morrer e deveriam na verdade ser tombadas pelo patrimônio histórico. Por onde anda o antigo zêlo de Curitiba por essas coisas?

Zaclis Veiga disse...

Então Lina? Que tal pensar em um projeto de registro das calçadas, sugerido pela Aveloh? Acho que poderíamos criar um grupo informal e, a partir dos registros, catalogar as calçadas curitibanas.
beijo

Lina Faria disse...

É bacana, sim Záclis.
Há uns 4 anos uma arquiteta do ippuc editou um livro e catalogou-as. Chegou a me pedir um orçamento mas acabou uma filha dela fazendo o trabalho.
Acho um bom mote pra você passar aos seus alunos.
Eu, particularmente, tenho muitas. Do centro quase todas. Sem o rigor dos endereço, mas sei de cada uma.
Isso tem de ser logo Záclis.
As da Rua Riachuelo já perdeu metade.
Vamos falar sobre isso, sim.

Quem sou eu

Minha foto
Curitiba, Paraná, Brazil
Sou fotógrafa e curiosa. Vivo na cidade de Curitiba e gosto de olhar e documentar a relação das pessoas com os espaços em geral. Levo isso ao pé da letra, quando fotografo as ruas e sua ocupação desordenada. Também nos interiores das submoradias, longe de qualquer padrão de ordem mas com um sentido de segurança, mesmo que penduradas e vulneráveis à primeira chuva. Mas tudo isso tendo como compromisso a beleza, a harmonia. Mesmo na realidade de uma favela, resgatar a dignidade através do belo é o que me interessa. Gosto também, e muito, de design e arquitetura. Da social à contemporânea, o gosto pelo ocupar me interessa. contato: linafaria@yahoo.com.br
Todos os direitos reservados à autora.
Fotos podem ser copiadas desde que com menção à fotógrafa e sem fins comerciais.

Desafio de março

Desafio de março

Minha lista de blogs

Seguidores

Arquivo do blog

em foco