janeiro 03, 2012







FAXINAL DAS ARTES
















Cem artistas nacionais engastados sob uma mata couve-flor de araucárias, no epicentro do Paraná.
Um atelier residencia, sob a curadoria de Agnaldo Silva, manteve um elenco de artistas contemporaneos durante duas semanas, isolados do mundo.
Claro, muitas boas experiências rolaram. Difícil processar tudo.
Como eu estava indo para Caracas, expor no Museu Celarg minha exposição 
Prisão Feminina, montei em caixinhas de fósforo o material do Faxinal do Céu.


Quase dez anos depois, ao mexer no material, me impressiona de como a arte prenuncia algumas coisas.


Nesse atelier, onde cada artista propunha uma produção gerada ali durante aquela temporada, a escolha de Alice Yamamura, grande ceramista, foi a de moldar várias máscaras mortuárias, de quem se dispusesse a faze-lo.
Claro, novidadeira que sou, entrei no  mórbido cardápio  de Alice, uma figurinha miúda que se vestia e parecia uma boneca. Doce e talentosa figura.


Já Rogério Ghomes, tinha como mote em su

a criação, também brincando com a morte, traçar a silhueta  do corpo estirado de quem se propusesse deixar molda-lo.


Essas peças, depois de recortadas, eram distribuídas pelo artista que se simulava um serial killer.
A cada manhã, às vezes de dia, mais um corpo aparecia.
Há nas fotos o corpo de Alice recortado na placa de madeira.
Ao lado, saindo da caixinha, Rogério Ghomes, junto aos painéis a serem cortados.


Bem, resumindo, há dois ou três anos, Alice morreu de morte natural de um mal nunca esclarecido.




Essa montagem que fiz tem no mínimo oito anos, mas parece uma leitura de hoje.




Ah, o Rogério Ghomes, vai bem, obrigado,,,
Já nossa querida Alice, encantou.
Encantadora, sempre foi.






2 comentários:

solda disse...

Lina:

Saudades

Lina Faria disse...

Que nem que eu, Soruda!

Quem sou eu

Minha foto
Curitiba, Paraná, Brazil
Sou fotógrafa e curiosa. Vivo na cidade de Curitiba e gosto de olhar e documentar a relação das pessoas com os espaços em geral. Levo isso ao pé da letra, quando fotografo as ruas e sua ocupação desordenada. Também nos interiores das submoradias, longe de qualquer padrão de ordem mas com um sentido de segurança, mesmo que penduradas e vulneráveis à primeira chuva. Mas tudo isso tendo como compromisso a beleza, a harmonia. Mesmo na realidade de uma favela, resgatar a dignidade através do belo é o que me interessa. Gosto também, e muito, de design e arquitetura. Da social à contemporânea, o gosto pelo ocupar me interessa. contato: linafaria@yahoo.com.br
Todos os direitos reservados à autora.
Fotos podem ser copiadas desde que com menção à fotógrafa e sem fins comerciais.

Desafio de março

Desafio de março

Minha lista de blogs

Seguidores

Arquivo do blog

em foco